Como falar sobre a pandemia com as crianças?

0 comentários

 

O ano de 2020 ficará marcado para sempre em nossas vidas. A maior pandemia mundial em um século transformou nossas vidas e nossos hábitos e mais de um ano após o seu início, continuamos acumulando lutos sem saber quando esse cenário de terror vai acabar, especialmente no Brasil, onde a vacinação é lenta e novas cepas do vírus não param de surgir. A realidade imposta pela pandemia de covid-19 vem afetando duramente também a saúde mental da população. Pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos apontou que para 53% dos brasileiros, a saúde mental piorou na pandemia. Esse é um dado que gera preocupações e capaz de ter graves consequências futuras.

Se para os adultos a realidade não vem sendo fácil à situação pode ser ainda pior para as crianças. Afinal, elas não contam com as ferramentas e conhecimentos para entender o que está acontecendo sozinhas, o que pode ser traumático, provocando medo e ansiedade. Falar com as crianças sobre a pandemia é fundamental. Sim, porque você não será capaz de manter seu filho, em plena era digital, em uma bolha, sem que ele saiba o que está acontecendo. Sendo assim, nada melhor que os pais sejam a fonte de informação sobre a pandemia e um porto de confiança para que os pequenos consigam atravessar esse momento tão difícil da melhor forma possível.

Falando sobre a pandemia de Covid-19 com as crianças

É super compreensível que pais e mães tenham receios sobre como abordar o assunto da pandemia com seus filhos. Primeiro, porque essa não é uma realidade fácil para ninguém, independente da sua idade. Segundo, porque há um medo de que o diálogo seja mais prejudicial que positivo ao bem estar da criança. Terceiro, porque infelizmente ainda existem muitas fontes de desinformação e notícias falsas circulando.

Para que esse momento seja positivo é fundamental que os adultos se informem através de fontes confiáveis, fugindo da armadilha de aceitar como verdade aquilo que lhe parece mais confortável, como por exemplo, de que há um tratamento precoce efetivo. Todos gostariam que isso acontecesse, mas infelizmente essa ainda não é uma realidade. Lembre-se ainda, que você pode até acreditar que está protegendo seu filho ao evitar conversar sobre o assunto, mas apenas está contribuindo para que ele não compreenda o que esta acontecendo e assim deixando-o mais vulnerável ao estresse, ansiedade e medo. Não é fácil, mas respira fundo e pense no bem estar dele.

Para te ajudar a ter essa conversar, separamos algumas dicas sobre como conduzir esse momento de forma a obter o melhor resultado para a criança.

1. Faça perguntas e ouça o que a criança tem a dizer:

Para iniciar essa conversa, convide a criança a falar sobre o assunto, descobrindo assim o quanto ela já sabe e quais dúvidas ela carrega consigo. É importante que esse momento ocorra em ambiente em que ela se sinta segura. Você pode utilizar desenho, histórias entre outras atividades como apoio nesse momento. É fundamental não minimizar o que ela está sentindo e suas preocupações, ressaltando que é normal sentir medo diante da pandemia. Esteja aberto a escutar de modo que ela compreenda que tem em você um porto seguro para falar sobre o assunto.

2. A honestidade é essencial:

Por mais que nossos instintos protetivos nos impulsionem a omitir e até mesmo mentir para os pequenos essa é uma péssima ideia nesse momento. A realidade se impõe a cada dia, de modo que não ser honesto pode levar a uma falta de confiança difícil de ser revertida. Outro fator que não pode ser desconsiderado é que ao optar por amenizar a situação você pode levar para que a criança relaxe quanto às medidas preventivas, o que nesse momento de volta as aulas é um risco considerável.

Use uma linguagem apropriada para a idade e caso não saiba responder alguma pergunta, não caia na tentação de inventar. O melhor é admitir que você não sabe a resposta, procurando junto com ele a informação em fontes confiáveis. Essa atitude ainda ajuda a introduzir a importância da pesquisa e de confiar nos especialistas.

3. Ensine as medidas de proteção:

Esse é um dos momentos mais importantes da conversa, uma vez que são as medidas que ele deve saber para proteger a si mesmo e os demais da covid-19. Lembre-se que lavar as mãos corretamente é uma das principais medidas de proteção contra a covid e outras doenças para as crianças. A conversa não precisa ser assustadora e você pode contar com o apoio de materiais em vídeo. No Youtube existe uma série de vídeos que ensinam as medidas de proteção contra a covid-19 voltado para as crianças, como esses do Quintal da Cultura, Criança para Criança e Canal da Charlotte. Outra dica de material de apoio é a websérie do canal da ONU Brasil onde o médico Dráuzio Varella tira as dúvidas de crianças sobre o coronavírus.

4. Ofereça segurança:

Durante a conversa a criança deve entender que tem em você e outros adultos próximos um ponto de segurança, que ela não está sozinha. Para isso, contudo, você também deve dar o exemplo e seguir as medidas que ensinou a ela. Afinal, para oferecer segurança a alguém, você primeiro precisa estar seguro, certo? Se faça presente e seja a rede de apoio que seu filho necessita, mantendo a calma mesmo caso sintomas de doenças apareçam na criança ou outros membros da sua casa. Don’t panic!

5. Não propague estigmas:

Infelizmente temos testemunhado o aumento de crimes contra asiáticos, especialmente nos Estados Unidos, por conta da pandemia. Muitos culpam a China pelo ocorrido e dessa forma estendem seu ódio e visão distorcida do mundo a todos asiáticos. Vale reforçar que da forma como nos relacionamos com o meio ambiente uma nova grande pandemia era inevitável em algum momento sendo que a sua origem poderia ser em qualquer lugar do globo. Durante a conversa com a criança é fundamental não apenas não propagar estigmas como apontar que esses são errados e não devem ser reproduzidos. Combater o preconceito e a xenofobia que vem surgindo com esse cenário é também nossa obrigação. #STOPASIANHATE

6. Tenha cuidado ao encerrar a conversa:

O grande objetivo da conversa e contribuir para que a criança entenda o que está acontecendo e reaja da melhor forma. Por isso, ao se encaminhar para o final da mesma, observe as reações da criança, não confiando apenas em suas palavras. A expressão corporal diz muito sobre como ela se sente. Caso seja necessário, ofereça mais conforto. Esse é um momento muito importante é que pode contribuir para que seu filho veja em você uma figura confiável para falar sobre outros assuntos difíceis, o que é muito positivo para o desenvolvimento da relação de vocês. E acredite, ao longo da vida dele não vão faltar assuntos difíceis. Melhor que ele converse com os pais que busque fontes não confiáveis.

Com muita calma, paciência e afeto, temos certeza de que você conduzirá essa conversa necessária sobre a pandemia de covid-19 da melhor forma com seu filho. Tem alguma outra dica para esse momento? Compartilha com a gente!

Vamos juntos!

Deixe um comentário

Todos os comentários serão validados antes de serem publicados
Parabéns, agora você faz parte!