Mas afinal, o que é o Método Montessori?

0 comentários

Quem é pai de crianças pequenas provavelmente já se deparou por aí como o termo “Método Montessori”, muito provavelmente ligado a móveis voltados ao quarto infantil ou como método de ensino adotado por escolas. Não é de hoje que o ensino-aprendizagem é questionado e repensado. Ao longo da história, diversos foram os autores que propuseram novas formas de educar, rompendo com os modelos tradicionais baseados na assimilação de conteúdos e docilização dos corpos.

O método montessoriano se enquadra entre essas perspectivas divergentes, como a escola Waldorf e o construtivismo, propondo novas formas de adquirir o conhecimento e se desenvolver na infância, colocando a criança como protagonista desse processo. O que isso tem a ver com móveis e outros itens voltados ao quarto infantil e aos pequenos? Vem com a gente que vamos te explicar tudo o que você precisa saber sobre o método Montessori.

Quem é Maria Montesori?

Nascida na Itália, em 1870, Maria Montessori pertencia a uma família com bom nível de instrução. Seu pai era funcionário do governo, ocupando o cargo de oficial no Ministério das Finanças italiano, enquanto sua mãe era bem educada para época. Desde jovem, Montessori apresentou interesse pela ciência, com destaque para as áreas matemática e biologia. Indo contra as expectativas da família, que desejava que ela fosse professora, Maria se inscreveu na Faculdade de Medicina de Roma, sendo uma das primeiras mulheres a se formar médica em seu país. O machismo presente na época impediu que, mesmo formada, Maria Montessori atuasse como médica. Não se admitia uma mulher examinando o corpo de um homem. Foi justamente esse fato que a empurrou para o trabalho com crianças com diversidade funcional, experiência que seria fundamental para a construção de seu pensamento.

Posteriormente, aplicaria as práticas educativas realizadas junto a essas crianças, com aquelas dentro da normatividade, além disso, fundaria a Casa dei Bambini, um espaço educacional para as crianças que ficavam nas ruas.

Princípios do Sistema Montessori

Para entender melhor o método desenvolvido por Maria Montessori é importante compreender os princípios do sistema pedagógico pensado pela intelectual, que tem como base em um pilar fundamental: a autoconstrução.

Montessori pensava que a formação da estrutura do ser humano é fruto de sua força interior, influenciada pelo meio e os períodos de desenvolvimento, que poderiam ser divididos em:

1º Período – Do nascimento aos 6 anos: nessa fase a criança realiza a sua construção a partir da exploração e absorção do ambiente em que está inserida. É uma fase essencialmente sensorial onde a construção ocorre em função do externo.

2º Período – Dos 6 aos 12 anos: Nesse momento o jovem já é capaz de elaborar os acontecimentos de forma racional, questionando o “porquê” e o “como” das coisas. É a fase onde ele entra no mundo da abstração.

3º Período – Dos 12 aos 18 anos: É quando o mundo passa a interessar o indivíduo de forma diferente, despertando para a questão da causa e efeito.

Assim, Maria Montessori acreditava que o processo educacional deveria seguir uma perspectiva científica, que respeitasse cada uma dessas fases evolutivas. Outro aspecto relevante do pensamento da intelectual é a chamada “Educação Cósmica”, que se refere as leis estabelecidas a partir da relação entre natureza, vida e sociedade humana, reconhecendo a tarefa de cada indivíduo para a harmonia da vida e sua evolução.

Entendendo o método Montessori

Criado pela pedagoga, médica e educadora italiana Maria Montessori, o método montessoriano é fruto das experiências e pesquisas desta na área da educação no início do século 20, se inserindo no movimento das Escolas Novas, da década de 1930, junto ao construtivismo, Waldorf e Escola Moderna, que questionavam o ensino tradicional e defendiam a educação universal. O marco desse movimento foi à divulgação do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, lançado em 1932 e que explicitaria as bases e princípios desse movimento, que foi especialmente relevante na Europa, América do Norte e Brasil, sendo fruto das intensas transformações econômicas e sociais que ocorriam no mundo.

Os pensadores das Escolas Novas acreditavam que o ensino tradicional não respeitam as necessidades e desenvolvimento da criança, sendo necessário assim repensa-lo. Além do questionamento ao status quo na educação, os métodos surgidos desse movimento se assemelham por oferecer as crianças o papel de protagonistas do processo educativo. Assim, para os pensadores da Escola Nova a criança é considerada como um ser humano próprio, capaz de aprender e se desenvolver, inclusive cognitivamente, através de brincadeiras livres, questionando os métodos baseadas na disciplinarização dos corpos e assimilação de conteúdos.

Um exemplo dessa visão se dá em 1910, quando Montessori começou a treinar professores para que eles observassem os alunos sem julgamento, mais do que querer ensinar e transmitir conteúdos. Essa ação da intelectual parte do principio que as crianças devem ser valorizadas para alcançarem o melhor desenvolvimento. “O potencial de aprender esta em cada um de nós” é a ideia chave do pensamento montessoriano, uma ideia que rompe com o elitismo de que a educação e o aprendizado devem servir a poucos. Quando observamos esse princípio parece até contraditório que hoje, no Brasil, as instituições de ensino que se aproximam do método montessoriano e dos pensadores da Escola Nova, como o método Waldorff, são frequentadas por uma elite com condições de pagar as caras mensalidades.

Maria Montessori, porém, não só elaborava críticas ao ensino tradicional, como propunha práticas e materiais alternativos que permitissem alcançar seu ideal de educação. Os materiais montessorianos vão além do ambiente escolar, podendo ser aplicados em todos os âmbitos da vida da criança, inclusive em sua casa e no seu quarto. Essa característica do método de Montessori impulsionou toda uma indústria, que inundou o mercado com móveis e materiais voltados ao publico infantil baseados na obra e pensamento da intelectual italiana. Isso não seria um problema, pelo contrário, uma vez que facilita o acesso a novas formas de educar, contudo, tornou-se.

Hoje é comum encontrar quem acredita o método Montessori se resume a móveis que sejam chamativos, estimulantes e voltados ao desenvolvimento da autonomia das crianças, quando na realidade é um pensamento mais profundo e complexo. É preciso, inclusive, cuidado, para que não compre um material voltado ao seu filho que de montessoriano tenha apenas o nome dado pelo fabricante. Da mesma forma, se atente a escolas que se dizem modernas, mas na prática mantêm um ensino tradicional.

Podemos concluir então que o método Montessori é um pensamento pedagógico que empodera e desenvolve a autonomia do indivíduo, tornando-o protagonista da construção do conhecimento, sempre com a ciência de que fazemos parte do todo, indo contra as ideias que colocam os seres humanos a parte da natureza ou exaltam o individualismo. Uma cama, cômoda, brinquedos e outros materiais baseados em Montessori sem duvidas são aliados e ferramentas com efeitos positivos na educação e desenvolvimento dos pequenos. Mas eles não são o método em si, e, caso o meio e a forma de criar e educar as crianças sejam avessos aos princípios montessorianos, pouco poderão fazer sozinhos.

Lembre-se: antes de sair comprando produtos e serviços da moda, procure sempre saber mais sobre, de forma a possibilitar que realize uma escolha assertiva e de acordo com as suas expectativas e princípios.

Até a próxima!

Deixe um comentário

Todos os comentários serão validados antes de serem publicados
Parabéns, agora você faz parte!